18 janeiro 2007

BRITPOP EXTRAVAGANZA!!!


Prólogo
Tal como o Mod Revival de 79 teve nos The Jam um catalizador, também o Britpop de meados da década de 90 encontrou nos Blur o mais forte estímulo para a sua imposição. Depois do semi-sucesso que foi Leisure, o álbum de estreia dos Blur que se apresentou ao mundo demasiado colado ao baggy da Madchester dos Stone Roses e dos Happy Mondays, o clima estava preparado para o despontar das raízes do Britpop.

1992, o ano zero!
Foi neste ano que começaram as gravações para o segundo álbum, mas até chegar aos escaparates Modern Life is Rubbish teve que esperar 19 longos meses. Esta espera, o crescente consumo de álcool por parte da banda e um também crescente desinteresse dos media (ocupados com a transformação do grunge dos Nirvana num êxito planetário) contribuíram decisivamente para a busca de uma sonoridade mais british, algo que os afastava cada vez mais do grande público. As pressões da editora continuavam, queria à força transformá-los nuns segundos Jesus Jones, mas eles já estavam empenhados em convencer o mundo que o som sujo do grunge estaria condenado e que era nos clássicos britânicos da década de 60 que se deveria procurar a inspiração.

O momento zero desta revolução tem 3 minutos e quinze segundos, uma secção de metais e um ritmo poderoso, usa botas doc martens, polo fred perry e suspensórios. Popscene, o ep que se seguiu a Leisure, foi editado em 1992 e traduziu-se num esperado falhanço comercial, o que só veio complicar a já precária situação dos Blur. Seguiu-se uma caótica tournée com momentos de puro terror (esta fase está bem documentada em Starshaped, um documentário que retrata os primeiros tempos da banda).

Nós contra eles
Enquanto Smells Like Teen Spirit estava em todo o lado, os Blur estavam cada vez mais sós numa «luta» desesperada pelo renascimento de uma certa maneira de estar, a englishness perdida. A tudo isto soma-se um erro de casting na escolha do produtor para o álbum, Andy Partridge. O punk arty dos XTC não conseguiu convencer com as sessões que produziu e as gravações voltaram praticamente à estaca zero. Um novo produtor foi chamado: conhecido pelo trabalho desenvolvido com os Smiths, Stephen Street veio encontrar uma editora que não o queria com uma banda desanimada para gravar um disco longe de tudo o que se esperava naquela altura.

A vida moderna é lixo
Popscene acabou por ficar de fora do alinhamento final do álbum por birra. O mundo tinha desperdiçado a oportunidade de o compreender, e isso acabou por criar uma mística à volta do tema e torná-lo um clássico perdido.

Modern Life Is Rubbish não sendo um sucesso cristalizou as bases do Britpop em 14 canções e dois interlúdios. Temas como For Tomorrow, Chemical World e Sunday Sunday refletem ideias que tinham sido já abordadas décadas antes pelos Kinks, os Who, David Bowie ou os Small Faces. Estava tudo lá, os metais, as cordas, as personagens, a sensibilidade pop, as melodias, as canções, todo o imaginário Brit. Ainda assim o reconhecimento tardava. Mas haveria de chegar...

Logo depois da edição do segundo álbum chegou Reading. O histórico festival foi o palco da mudança na sorte dos Blur. O público entrou no jogo e a indústria acabou por ter que virar a atenção novamente para os 4 rapazes de Colchester. Esta foi a primeira conquista, um palco secundário a abarrotar de pessoas que não arredaram pé mesmo quando nomes mais sonantes começaram a tocar no palco principal.

Agora tudo parecia simples, e o trabalho no sucessor de Modern Life Is Rubbish começou imediatamente. Desta vez seria difícil errar, a fórmula estava encontrada, os media estavam atentos e o público expectante.

Britpop is born
A 7 de Março de 1994 um novo single dos Blur chega às lojas, seria o primeiro de Parklife. O seu nome: Girls & Boys. Acabava de nascer oficialmente o Britpop.
A quarta edição do mundo-moderno pode ser ouvida aqui.

Setlist da quarta edição:
Minivip The Block (Indicativo)
PulpDisco 2000
Shed Seven Getting Better
SleeperAtomic
Inspiral Carpets Dragging Me Down
Mike Flowers Pops Wonderwall
Blur Sunday Sunday
Menswe@r Daydreamer
CornershopBrimful of Asha

8 comentários:

JAP disse...

É a primeira vez que estou a ouvir um podcast neste blog e deixa-me dizer que está excelente. Parabéns.

Pedro disse...

Bem escrito esse teu resumo do início da britpop. De facto o Modern life is rubbish é talvez o album nuclear do percurso dos blur, mesmo sendo Parklife a sua obra-prima. E já agora, quando actuaram em Reading no palco secundário, a banda de que todo o público fugiu para os ver, eram os The The, que assinavam uma prestação, segundo dizem, muito aborrecida no palco principal. Também aos The The se deve a explosão dos blur :)

PS: oferecemo-nos a mesma prenda de Natal.

Anónimo disse...

excelente! Parabens

Mr. Cool disse...

muito obrigado pelos comentários.

stay cool.

Daniel Lopes disse...

que beleza de seleção!
p-a-r-a-b-e-n-s-!

Merton disse...

brit-pop foi do melhor que apareceu nos anos 90 juntamente com o shoegaze.boa escolha , a inclusão dos menswear e dos shed seven só denota bom gosto só ficou a faltar um registo da melhor banda de brit-pop de sempre os Northern Uproar.

Anónimo disse...

Para quando o proximo modcast? os poppers entram com tema novo? Podem adiantar alguma coisa? Carla Martins. MODette

Mr. Cool disse...

o modcast #5 está em na fase final de preparação, deverá estar online até ao final desta semana.

e sim, confirma-se, vou estrear um tema novo dos poppers.


stay cool!!